XP Expert 2019 – Paulo Guedes

XP Expert 2019

O Ministro da Economia Sr. Paulo Guedes fala sobre o que considera o grande problema estrutural do Brasil: a questão dos gastos públicos, historicamente muito elevado e que foi aumentando ao longo do tempo. Assista à palestra na íntegra. Paulo Guedes é simplesmente excepcional. Todos os brasileiros tem obrigação de assistir.

Não seremos mais 200 milhões de trouxas!

 

Video: ExpertXP2019-Paulo Guedes

#PauloGuedes

#ExpertXP2019

Um forte abraço, deixe seus comentários e até o próximo post.

 


Curtiu este Post?

Compartilhe com seus amigos:

 

A Grande Recessão brasileira do século XXI era previsível?

A Grande Recessão

Grandes Ciclos Econômicos

O mercado passa por grandes ciclos e para empreendedores e investidores, é questão de sobrevivência entender isso.  A Grande recessão brasileira era previsível?

Você pode assistir  o Workshop online gratuito realizado pelo mestre Fernando Ulrich no dia 17/06/2019 através do link abaixo no youtube.

Fernando Ulrich (Mestre de economia e investidor) explica como a última grande recessão brasileira era previsível.

Este vídeo é o primeiro de uma série de três vídeos.

Ao final, você vai entender como se antecipar à próxima recessão e evitar perdas de patrimônio.

 

Veja o vídeo através do link: A grande recessão brasileira era previsível?#aula1 – Por Fernando Ulrich

 

 

Separei este vídeo para você, amigo empreendedor e investidor. Espero que você goste deste importante conteúdo.

 

 

Deixe seus comentários e até o próximo Post.

 


Assista também:

A maior crise financeira global está por vir.

Teaser – O Poder dos Ciclos Econômicos

 



Siga Brique Easy:

Facebook: https://www.facebook.com/briqueeasy/

Instagram: https://www.instagram.com/briqueeasy/


 

Gostou deste post? Compartilhe com seus amigos:

Perfil do Investidor

Você já fez a sua análise de perfil como investidor?

 

Você precisa fazer esta análise para definir o seu perfil e com esta análise mapear os tipos de investimentos mais adequados para você.

 

Você pode se enquadrar num perfil conservador, moderado ou agressivo e existe uma gama de investimentos que se encaixam em cada um destes perfis.

 

E assim, definimos cada perfil de acordo com a exposição aos riscos inerentes ao mercado financeiro. Veja a seguir:

 

  • Perfil Conservador: Busca o máximo de segurança, mesmo que isto signifique menor retorno. Prefere investimentos em renda fixa e tem aversão a renda variável.
  • Perfil Moderado: É o meio termo, busca melhor equilíbrio entre segurança, liquidez e rentabilidade. Prefere mesclar sua carteira com investimentos em renda fixa e variável.
  • Perfil Agressivo: Procura a maior rentabilidade possível, avalia e gerencia os riscos, aceita rentabilidades negativas no curto e médio prazo para ter retorno superior ao da renda fixa no longo prazo. Prefere investimentos de renda variável.

 

Eu listei a seguir alguns tipos de investimentos de acordo com cada tipo de perfil.

 

  • Perfil Conservador

CDB – Certificado de Depósito Bancário

Indicado para investidores que querem liquidez diária ou que desejam investir para objetivos de curto prazo.

Tesouro Direto

Indicado para investidores que querem liquidez diária com o Tesouro Selic (LTF) ou para investidores de longo prazo que pretendem ficar com os titulos até o vencimento ( Tesouro IPCA, Tesouro pré-fixado).

 

Fundos de Renda Fixa Conservadora

Também indicado para investidores que querem liquidez diária ou desejam investir para objetivos de curto prazo.

 

LCI – Letra de Crédito Imobiliário e LCA – Letra de Crédito do Agronegócio

As LCIs e LCas são indicadas para investidores com objetivos de curto e médio prazo. Elas só tem liquidez no vencimento e não ocorrem antes de 90 dias de aplicação.

 

  • Perfil Moderado

Investimentos em Renda Fixa, como os citados para o perfil conservador.

Fundos Multi Mercado – São fundos que mesclam aplicações de vários mercados, como renda fixa, ações, câmbio, etc.

Debentures – Títulos de dívida privada

As Debêntures, ou titulos de divida de empresa privada, são indicadas para investidores que necessitam de liquidez no médio ou longo prazo, que não querem se expor tanto a volatilidade do mercado de renda variável.

 

  • Perfil Agressivo ou Arrojado

Os investimentos mais comuns para este tipo de perfil são os Fundos de Ações e Ações, propriamente dito, desde ações de empresas nacionais à ações de start ups estrangeiras, Fundos Imobiliários, embora não tenham tanta volatilidade quanto as ações.

Se enquadram neste perfil todos os tipos de investimentos em Renda Variável. Existem também alguns investimentos classificados como conservadores, mas que dependendo do momento econômico, se tornam agressivos.

 

E então, já tem ideia de qual é o seu perfil?

Você pode fazer uma avaliação do seu perfil como investidor em alguns sites da internet ou no site da sua corretora.

 

Deixe o seu comentário ou a sua dúvida que irei responder.

Se você tiver alguma sugestão para novos posts, envie para mim.

Um grande abraço e bons investimentos!

 


Leia Também:

Investir com segurança

Abrir conta em uma corretora

Corretora ou Banco

FIIs


 

Gostou deste post? Compartilhe com seus amigos.

Investindo em Fundos de Investimentos Imobiliários (FIIs)

Para auxiliar a sua jornada nos investimentos em Fundos de Investimentos Imobiliários (FIIs) separei alguns pontos que devem ser estudados para escolha dos FIIs que irão compor a sua carteira.

Aqui apontei fatores relevantes como:

  • Segmento do FII.
  • Representação no Ifix.
  • Dividend Yeld.
  • Liquidez.
  • Preço.
  • Gestão do FII.
  • Taxa de vacância.
  • Vencimento dos contratos.
  • Origem da receita.
  • Quantidade e qualidade dos ativos.

 

  • Segmento do FII

Observe qual o segmento que pertence o Fundo Imobiliário. Procure primeiramente saber qual segmento o fundo imobiliário pertence, se é um Fundo de Tijolo, Fundo de Papel, Fundo de Fundos ou Fundo Híbrido. Assim você consegue direcionar os seus estudos de acordo com o segmento do fundo.

 

  • Representação no Ifix

Para ajudar na sua escolha, veja a representação do fundo imobiliário dentro do Ifix (Índice de Fundos de Investimentos imobiliários da Bolsa de Valores). Os Fundos Imobiliários presentes n Ifix são os de maior tamanho (considerando o patrimônio líquido) e liquidez.

 

  • Dividend Yeld

Analise o indicador Dividend Yield (DY), que são os dividendos pagos nos últimos 12 meses dividido pelo valor da cota do fundo. Já que o seu objetivo é ter uma renda passiva mensal, a análise deste indicador é muito importante. Sabemos que resultados passados não são garantia de resultados futuros. Porém, observar o histórico de pagamento de dividendos do Fundo Imobiliário e também da  constância e evolução do valor pago é bastante relevante para o investidor.

 

  • Liquidez do FII

Leve sempre em consideração a liquidez do fundo imobiliário, pois esta é uma das vantagens em investir em fundos imobiliários. Fundos que possuem baixa negociação na bolsa de valores, não são atrativos.

 

  • Preço da cota

Compare o indicador de preço da cota pelo valor patrimonial (P/VP). É um indicador importante para comparação com outros fundos imobiliários, principalmente de for um fundo de papel.

Avaliar o preço da cota é muito importante, embora muitos investidores de longo prazo não pensem assim, mas se você tem a oportunidade de pagar um valor com desconto, por que não considerar? E devemos entender que se o preço da cota esteja com valor justo, sem desconto e a avaliação dos outros fatores apontem para a compra, o investidor deve seguir com esta aquisição. Porém, se o valor da cota esteja além do preço justo, os outros fatores devem ser cuidadosamente avaliados antes de seguir com a aquisição do ativo para sua carteira.

 

  • Gestão do FII

Considere sempre o tipo de gestão do fundo imobiliário (ativa ou passiva). Na gestão passiva o gestor deve seguir as regras e determinações acordadas em assembléia dos cotistas. Já na gestão ativa o gestor, via regulamento, pode

comprar e vender os ativos dentro do portfólio. Neste caso, a “expertise” do gestor irá influenciar diretamente o resultado final do fundo imobiliário.Outro fator importante que influencia na performance do fundo imobiliário é a administração e gestão do fundo. Uma gestão competente, com transparência, rapidez na alocação de capital, boa comunicação com os cotistas e experiência no mercado, trará bons rendimentos para o fundo imobiliário. Procure sempre saber quem é o gestor do fundo e seu histórico.

 

  • Taxa de Vacância

Você deve avaliar a taxa de vacância dos ativos do fundo ao longo do tempo, pois este indicador influenciará no pagamento dos proventos. Ele mostra a área vaga de um empreendimento imobiliário em relação a sua área total disponível para alocação. Quanto menor a taxa de vacância, mais garantida é a receita completa do Fundo.

 

  • Vencimento dos contratos

O investidor deve sempre estar atento para as datas de vencimento dos contratos do fundo. Já que todo contrato possui um vencimento, o investidor deve observar quando ocorrerão estes vencimentos e o andamento da negociação do gestor na renovação ou aquisição de novos inquilinos e isto dependerá da habilidade e qualidade na gestão do fundo.

 

  • Origem da receita

Esteja sempre atento na geração de caixa do fundo e a origem da receita. Apenas olhar a distribuição dos proventos não trará conforto e segurança a longo prazo.

 

  • Quantidade e Qualidade dos ativos

A quantidade e qualidade dos ativos estão relacionadas ao risco deste fundo. Levando em conta o conceito de diversificação, o fundo que possui vários ativos e  vários inquilinos, possui menos risco que os demais fundos. Considerando também o fundo que possui ativos de qualidade, o risco também será baixo.

 

Investir em fundos imobiliários é uma experiência nova para muitos, que trás mais tranquilidade, facilidade e acessibilidade, comparando com os investimentos tradicionais em imóveis. Nem por isto é uma jornada fácil, onde o investidor deve sempre estar a procura de aprendizado e informações relevantes para que possa sempre tomar as melhores decisões.

 

Se quer saber mais sobre investimentos em fundos imobiliários, fique ligado no blog Brique Easy…buscamos sempre trazer informações para ajuda-lo.

Desejo a você bons negócios e ótimos investimentos….um forte abraço e até mais.

 

Leia também:

Como os Fundos Imobiliários funcionam

Como escolher um Fundo Imobiliario

Tipos de Fundos Imobiliarios

O que são Fundos Imobiliários?

 

Gostou deste conteúdo? Deixe seus comentários e compartilhe conosco suas experiências.

 

Lembrou de algum amigo? Compartilhe com ele.

O que são Small Caps?

Na bolsa de valores as empresas são divididas pelo valor de mercado e as ações de empresas de baixa  capitalização são chamadas de Small Caps. Portanto, as Small Caps são ações de empresas menores e com baixa liquidez. Porém,  com alto potencial de valorização. Como geralmente são empresas estreantes no mercado, podem ter um grande potencial de crescimento e com isto proporcionar ótimo retorno, podendo ser uma boa estratégia para sua carteira de ações, já que este potencial de crescimento pode trazer grande valorização.

Bem, mas nem sempre uma empresa pode corresponder com as expectativas de crescimento e valorização, podendo trazer grande prejuizo com a desvalorização das ações. Por isto, o investidor tem que estar ciente dos riscos envolvidos antes de decidir investir em ações de Small Caps e para ajudar, listamos 5 riscos a serem considerados:

1. Dificuldade de Precificação

Por serem empresas novas com pouco histórico e operações em expansão, é dificil, na maioria das vezes, precificar corretamente o valor real destas empresas.

2. Baixa Liquidez

Por serem ações de baixo volume de negociação na bolsa de valores, talvez você não consiga vender rapidamente ou tenha que vender por um valor abaixo do que vale ou na pior das hipóteses, não consiga vender.

3. Pouca informação de Análise

Como a quantidade de empresas listadas na bolsa de valores B3 é grande, os analistas não conseguem cobrir com a atenção necessária todas estas empresas, sendo análisado parte destas empresas, normalmente as grande empresas Large Caps.

4. Dificuldade de Crescimento

Por se tratar de empresa nova, a consistência, saúde e evolução das operações são incertas. É dificil prever quais serão os problemas e dificuldades pelo qual a empresa irá passar no futuro e se ela estará preparada para superar.

5. Tiro no escuro

Comprar ações de empresas que são “Micos”, ou seja, que estão na pior, muitas vezes em vias de falência, liquidação judicial ou algo pior. Fique atento para alguns sinais de Empresas “Mico”, como valor de ações muito baixo, que não valem quase nada ou queda muito grande no valor das ações nos ultimos meses.

E quais são as vantagens de investir em small caps?

Investir em ações Small Caps pode ser um ótimo negócio muito lucrativo, desde que seja feita a análise criteriosa e cuidadosa para a escolha destas ações. Podemos citar algumas vantagens a serem consideradas para as Small Caps:

1. Ter um alto potencial de crescimento

Normalmente estas empresas possuem operações inovadoras ou atuam em setores em desenvolvimento, oferecendo um crescimento rápido.

2. Oportunidade de preço

Devido ao receio e incertezas associadas a empresa Small Caps, você pode encontrar várias empresas com ações com preço bastante baixo do seu valor patrimonial, ou seja, empresas que estão mal precificadas no Mercado.

3. Potenciais alvos de aquisições

Por serem empresas menores, outras empresas de maior porte podem fazer aquisição, o que acaba acarretando uma valorização nas ações.

Dicas para escolher uma small caps

Olhe qual é o volume diário de negociado de ações da empresa. Isto permite comparar a liquidez entre as ações das empresas antes de investir. Observe no homebroker o volume de negociação das ações.

Compare os indicadores fundamentalistas da empresa de seu interesse com outras empresas listadas na bolsa, do mesmo setor.

Avalie se a empresa pode gerar caixa suficiente para financiar suas atividades ou se ela é muito dependente de empréstimos e capital externo, pois as oscilações na economia podem impactar as operações da empresa deixando-a em dificuldade.

Procure se informar sobre a Administração da empresa, quem são os gestores e seus históricos.

Verifique o setor de atuação da empresa, o tamanho do Mercado e se existe demanda suficiente para a empresa crescer.

Procure ver na internet se a empresa possui uma área de Relações com Investidores. Se a empresa mostra ter preocupação com seus investidores, já é um bom começo. Ali você pode encontrar muitas informações interessantes para sua análise.

Olhe quem são as empresas competidoras e a posição delas no Mercado.

Um bom indicador para avaliar o desempenho das ações small cap é o índice SMLL na Bolsa de Valores B3. Este índice é composto por várias empresas Small Cap.

E então?

Bem, agora que você entende um pouco sobre as Small Caps, considere formar sua carteira com algumas delas, mas não se esqueça dos cuidados que você deve ter na escolha.

Bons investimentos!

Brique Easy

Lembrou de alguém que gostaria de ler este artigo?

Compartilhe

Quais os cuidados para investir em Debêntures?

Olá amigo do blog Brique Easy. Eu trouxe para você mais este post sobre investir em debênture. Então vamos lá…

 

Antes de investir em debêntures, você deve requisitar o Prospecto para a instituição que faz a intermediação da compra do titulo.

 

Leia o prospecto tomando atenção para os itens de:

Fatores de risco: é onde são apresentados os riscos mais importantes aos quais o debenturista estará exposto.
Análise da Administração sobre as demonstrações financeiras: é onde você encontra uma análise qualitativa sobre a situação financeira e sobre o resultado das operações, descritas pela diretoria da empresa.
Escritura de Emissão: é onde está descrito os direitos conferidos pelas debentures e suas garantias, se houver.
Relatório de classificação de risco: é o documento elaborado por empresas de classificação de risco, que avaliam o grau de risco da empresa e sua capacidade de honrar com as obrigações assumidas das debêntures.

 

Quais os riscos de investir em Debêntures?

O principal é o risco de crédito, ou seja, de tomar um calote da empresa emissora dos títulos.
Normalmente, quanto maior o rendimento da debênture, maior é o risco de crédito da empresa emissora. Os juros que a empresa está disposta a pagar pelo capital tomado têm uma relação íntima com os riscos da operação.

Outro fator que deve ser considerado são os riscos de mercado, onde as oscilações das taxas de juros e da inflação pode tornar os títulos ora mais atrativos, ora menos atrativo, influenciando seus preços no mercado.

Sendo as debêntures um ativo menos líquido que as ações, o investidor deverá ficar atendo às condições de mercado, quando desejar vende-las antecipadamente, saindo do investimento antes do vencimento.

Uma debênture tem um prazo de vencimento que geralmente é de alguns anos, o que varia de título para título. É possível vender o titulo de forma antecipada no chamado mercado secundário (Bolsa de Valores), mas seus preços são “marcados a mercado”, ou seja, variam de acordo com as expectativas do mercado, sofrendo ágio ou deságio com o resgate antecipado.

 

E quais as garantias de investir em Debêntures?

As debêntures não contam com a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC). Então o que garante que a empresa vai devolver o valor que tomou emprestado mais os rendimentos acordados?

Bem, existem quatro tipos de garantia fornecida pela empresa emissora de debêntures:

  1. A garantia real: a empresa coloca bens ou ativos como garantia e esses bens não podem ser negociados.
  2. A garantia flutuante: a empresa coloca bens ou ativos como garantia, porém eles podem ser negociados.
  3. A garantia quirografária: não exite a garantia a partir de bens nem qualquer outro privilégio.
  4. A garantia subordinada: também não existe bens que garantam a aplicação, mas em caso de liquidação da empresa, as garantias quirografárias precedem as subordinadas.

 

Gostou deste Post? Não perca os próximos. Fique ligado no Blog Brique Easy!

 

Um forte Abraço e bons investimentos!

 


Veja também:


 

Compartilhe com um amigo.

Quais os tipos de Debêntures?

Olá amigo do blog Brique Easy. Aprenda quais os tipos de debêntures e faça o investimento certo.

 

Uma debênture pode ser classificada em dois tipos, quanto ao seu registro: Debêntures nominativas e Debêntures escriturais.

  • As Debentures nominativas são emitidas em nome do investidor inicial. Tanto o registro quanto o controle de transferências da debênture é feito em livro próprio da companhia emissora.
  • As Debentures Escriturais também possuem seu registro e controle de transferências feitos pela companhia, mas o título em si é guardado em uma conta de custódia no nome do investidor por meio de uma instituição financeira, geralmente uma corretora de valores.

 

Quanto a forma de pagamento dos juros, as debentures são classificadas em Debêntures conversíveis, Debêntures simples e Debentures permutáveis.

  • As Debêntures conversíveis podem ser convertidas em ações da própria companhia ao final do período estabelecido no título ou em algum outro prazo estabelecido pela companhia.
  • As Debêntures simples não possui o benefício da conversão em ações, servindo apenas ao propósito de financiamento da empresa emissora.
  • As Debêntures permutáveis são semelhantes as debêntures conversíveis, mas com a diferença de que podem ser convertidas em ações de outra companhia, não necessariamente da companhia emissora da debênture.

 

Quanto ao rendimento, as Debêntures podem ser de três tipos: Debêntures pós-fixadas, Debêntures pré-fixadas e Debêntures hibridas.

  • As Debêntures pós-fixadas tem seu rendimento atrelado a algum tipo de indicador, normalmente o CDI ou a taxa Selic. Por serem pós-fixados, o debenturista não sabe exatamente o quanto a debênture irá render, pois vai depender de como estará o indicador no vencimento do titulo.
  • As Debêntures pré-fixadas tem seu rendimento acordado no momento da emissão do titulo. Por serem pré-fixadas, o debenturista saberá exatamente o quanto a debênture irá render.
  • As Debêntures hibridas são ao mesmo tempo pós e pré-fixadas. Sendo mais comum que tenham uma taxa pré-fixada mais a correção por um indicador pós-fixado, como o IPCA.

 

Um forte abraço, até o próximo post e bons investimentos.

 


Veja também:

 


Deixe seus comentários.

Lembrou de alguém que precisa ler este post? Compartilhe.

O que é uma Debênture?

Olá amigo do blog Brique Easy. O que é uma debênture? Quer saber? Eu vou lhe dizer…

 

Debênture é um título de crédito privado ao portador que representa uma dívida, a juros, garantida pelo patrimônio do emitente, sendo um obrigação ao portador.

Em outras palavras, uma debenture nada mais é que um título de dívida de uma empresa privada. Quem investe em uma debênture se torna um credor da empresa que emitiu o título, financiando suas operações em troca do pagamento de juros sobre o valor do título.

 

As debêntures são aplicações de renda fixa. Da mesma forma que podemos investir em títulos públicos como o Tesouro Direto, emprestando dinheiro para o governo e recebendo juros sobre este empréstimo, podemos investir em títulos do setor privado, que são as debentures, sendo um empréstimo
para uma empresa privada e recebendo juros sobre este empréstimo.

 

As empresas emitem debêntures no mercado de capitais a fim de captar recursos de terceiros para garantir dinheiro em caixa ou financiar os seus projetos e crescimento de suas operações.

 

Os debenturistas são credores da empresa e recebem juros periódicos e pagamento do montante principal, no vencimento do titulo ou mediante amortizações nas quais se paga parte do montante antes do vencimento, conforme estipulado no contrato chamado Escritura de Emissão, onde são especificados os direitos e deveres do debenturista e da emissora.

 

Espero você no próximo post.

Continue aprendendo com nossos posts no blog Brique Easy e bons investimentos.

Um forte abraço.

 


Veja também:


 

Compartilhe.

pt_BRPortuguese
en_GBEnglish pt_BRPortuguese